sábado, 22 de dezembro de 2012

...

As questões existencialistas também afectam as velhas moradoras do Bairro Alto. Conversa ouvida há momentos:

- Quem é?! - gritado por uma voz trémula pela idade, segura em tudo o resto.
- Sou eu....-  responde um segunda voz, esta meio esganiçada  pelo esforço de se fazer ouvir bem.
Responde a primeira:
 - Mas quem é o "eu"?

[ num breve aparte foleiro e porque falei de existencialismo  lembrei-me agora e ri-me ao lembrar-me, da abordagem mais foleira que tive por parte de um gajo. foi em tempos, estava eu numa esplanada a ler Heidegger e um tipo italiano que espreitava da mesa do lado, de repente e do nada, abordou-me e disse "sabes que ele era nazi, não sabes?"]

Sem comentários: