terça-feira, 16 de outubro de 2012

...

No dia em que o meu gato morreu fui uma padaria franchisada. Atende-me um rapaz que nem vinte anos devia ter. Depois de me dizer boa tarde e de consequentemente olhar bem para mim pela primeira vez, pergunta se  estou triste. Disse-lhe que sim e movida por aquela necessidade estúpida de falar que surge quando  estou com o humor mesmo em baixo expliquei-lhe porquê. Quando paguei e me vinha embora ele faz-me sinal para esperar um pouco e embrulha-me um bolo. "Sei que não cura mas ajuda a recuperar". O bolo em si, comido horas mais tarde pelo meu namorado não ajudou muito, agora o gesto aleatório de empatia, esse sim foi balsâmico. 

7 comentários:

Limited Edition disse...

esses pequenos gestos, então vindos de estranhos, fazem o dia. espero mesmo que tenha ajudado :)

Fuschia disse...

Se for uma padaria portuguesa, já estive em várias e é comum a simpatia dos funcionários.

Isa disse...

Muito lindo :)

Márcia disse...

é sempre assim,ás vezes, o consolo aparece de quem menos se espera.E como é alentador. Bonito o gesto do rapaz.

Fi disse...

Só mostra que todos nós podemos fazer a diferença na vida de alguém com gestos simples como este no nosso dia-a-dia... :)
E tornamo-nos tão mais felizes! :)

Kitty * disse...

Era jeitoso? Tenho um fetiche com padeiros.

RBM disse...

era muito bonitinho mas parecia homossexual pela forma de falar...desculpa lá arruinar-te a fantasia