terça-feira, 11 de setembro de 2012

...

Isto é cruel. A nossa estagiária mais nova, ao fim de oito meses, só continua a revelar aptidões para ser uma boa secretária. Sempre que lhe corrigimos um trabalho técnico pensamos que devíamos arranjar coragem para lhe dizer que não devia gastar dinheiro na inscrição da Ordem. Contudo ficamos um pouco desarmados por aquele entusiasmo de novata, que acha que isto é tudo muito semelhante ao Boston Legal, um entusiasmo que nenhum de nós tem, diga-se, exaustos dos clientes, da papelada interminável, dos maravilhosos vícios do sistema judicial. Como em tudo o resto, também aqui na vidinha chata das profissões chatas, gostar e querer pode não chegar para nada.

3 comentários:

Anónimo disse...

o amor por uma profissão às vezes também é como os outros amores: não é retribuído. Também conheci muita gente assim com grande vontade mas sem jeito nenhum, mas essas pessoas são as primeiras a perceber, se insistem o problema é delas

Su disse...

Quando eu era estagiária, o que mais queria era que me corrigissem. Receber elogios é muito motivante e necessário, mas receber críticas também mostra interesse por parte de quem recebe o estagiário.
Apontem-lhe as falhas. Se ela persistir nos erros, há-de perceber que a coisa não é para ela.

Izzie disse...

Olha que tenho observado que em muitas profissões uma elevada autoestima e autoconfiança podem ser melhor cartão de visita que ser bom profissional. Um mau advogado podem sempre desculpar-se com a injustiça da lei ou os maus humores do magistrado. Não era inédito ;P