quarta-feira, 15 de agosto de 2012

...

A minha mãe ligou-me há pouco a convidar-me para ir lá almoçar. "Ah não me apetece, acabei de acordar, estou cheia de preguiça...e não há greve hoje? Ah não, chato, obrigada, mas não...". Comunicou-me de seguida que o meu pai estava a fazer de propósito bacalhau à braz, já a contar comigo. "Ok, vou-me arranjar".

Fica pendente a resposta para a seguinte questão: como é que sendo uma pessoa tão fácil de agradar, raramente estou feliz?

3 comentários:

Miriã disse...

A felicidade são pequenos momentos da vida, aqui e ali. A energia que se gasta a pensar na infelicidade nunca trará coisas positivas para a nossa vida.

Inês B. disse...

Há uma música cantada pelo Camané, a saber, Triste Sorte, que teima em descrever bastante resumidamente a minha vida. Há ali uma parte que, então essa, me arrepia porque me faz pensar que há quem conheça o meu mais intimo ser e que decide, assim, escrever sobre mim. Pior, cantar sobre mim. “Ando na vida à procura de uma noite menos escura que traga o luar do céu, de uma noite menos fria em que não sinta a agonia de mais um dia que morreu.”.
Sempre tive esta teoria e tenho vindo a aperfeiçoa-la à medida que cresco e me torno mais velha e mais madura de que, as pessoas mais inteligentes (não se confunda inteligência com ter uma media de 19.8 valores na universidade.) não conseguiam ser felizes. Isto é, de que as pessoas mais sensiveis emocionalmente e mais despertas pelo verdadeiro sentido da vida nunca iriam sentir o prazer da felicidade verdadeira, sem motivos de existir (e não é mesmo assim, a verdadeiro felicidade?) porque, forçadas pelo subconsciente a debater na sua própria felicidade iriam perceber que não tinham motivos para estarem felizes e, por isso, ficariam infelizes. É uma contradição particularmente confusa de descrever mas, para mim, faz todo o sentido.

Isto para dizer que tu pareces particularmente inteligente.

Anita Garcia disse...

Fazes uma bela pergunta... Eu que me satisfaço com as coisas simples, não encontro a felicidade em nada ultimamente...