sexta-feira, 20 de abril de 2012

...

A tristeza que sinto sempre que surge um obstáculo que nos conduz para caminhos diferentes é obviamente proporcional à alegria que sinto quando estamos juntos. Não me faz sentido que as coisas sejam de outra forma, não me conseguem convencer que alguém acaba um namoro com outro alguém de quem gosta e passada uma semana ou um mês já está pronto para ter outra pessoa. Convençam quem quiserem, a eles próprios, não há mal nenhum em fazer isso mas por favor não me digam que estavam apaixonados por quem acabou de  ir, porque aí desculpem, vou ter mesmo de rir na cara. No amor e na paixão parece-me lógico - aliás, creio que é o único aspecto merecedor deste adjectivo nestas matérias - que tanto a felicidade como a dor têm de ser obrigatoriamente assim, esmagadores, maiores do que sensibilidades e preconceitos aquele ponto de os outros olharem para nós e questionarem a  nossa saúde mental. A felicidade e a tristeza, a sensação de invencibilidade e a de perda têm de ser maiores do que tudo o mais que possamos sentir, maiores do que o nosso entendimento, maiores do que nós.

6 comentários:

Isa disse...

e, mais importante do que tudo, sabermos quem somos depois de um relacionamento. Faz-me imensa impressão essa gente que salta de um relacionamento pro outro, como quem compra camisas. Como me faz muita impressão gente que não pára para olhar pra dentro. deus nos defenda.

RBM disse...

Exacto. O que é engraçado é que se escolheres não ter ninguém durante algum tempo, seja porque razão for, a partir de uma certa altura começas a receber bocas por tudo o quanto é lado, a dizerem-te que "tens de viver". E a maior parte das pessoas que diz isso é aquele tipo de gente que é tão bem resolvida ao ponto de coleccionar as relações como colecciona camisas, que não fica cá com coisas penduradas, mas que depois não é assim tão bem resolvida para conseguir desenvolver qualquer sentimento por alguém que vá além da tesão do mijo. E pergunta-se no final: quem é que precisa de começar a viver?

Isa disse...

:D muito bom! fora que as pessoas não são iguais, nem todos queremos o mesmo, procuramos o mesmo. vai impor padrões de vida pra pqp, aqui não. eu faço o que eu quero, nao o que o mundo manda.
Bjo

VerdezOlhos disse...

E se forem verdadeiros são mesmo!
MESMO.

É preciso tempo para voltar a viver connosco mesmos. Reaprender! Cada qual com o seu tempo...

Tatiana Pereira disse...

Um amor que destrói outro não é amor? Ou o que foi destruído não era amor? É que a história está cheia de amores que começam a três ou a quatro.

Acho que o facto de ninguém ser igual é o mote, não podemos dizer que alguém que salta de uma relação para outra não ama, ou ama mal (embora todos façamos quase sempre muita coisa mal). É claro que o ideal é parar para "olhar para dentro", mas quando sentimos alguma coisa por alguém vamos adiar o sentimento para "olhar para dentro"? O mundo somos nós com os outros. O desafio é sempre o mesmo, estejamos sozinhos ou acompanhados.

As pessoas que saltam de relação em relação estão a aprender tanto como as outras, com um método diferente. Eu, que nem sempre me dei tempo para "olhar para dentro", não posso aceitar que me achem uma pessoa pior por isso. Preocupo-me tanto com a possibilidade de cometer os mesmos erros do que alguém que decidiu ficar só. Quem deixa alguém, por uma terceira pessoa ou por ninguém em particular, também se angustia. As pessoas decentes não o fazem de ânimo leve.

De qualquer modo, desculpem o testamento, mas se as minhas emoções me dizem que a invencibilidade e a dor têm de ser esmagadoras (gostei da formulação), a razão diz-me que, voilà, as pessoas são diferentes e evoluem. Uma pessoa que enfrentou cem perdas não vai, por mais que ame, enfrentar a centésima como a primeira.

Anita Garcia disse...

Muitas vezes o "luto" de uma relação terminada é mal entendida por quem está de fora. Ficam em crer que o sofrimento e o afastamento acontece porque quem ficou sem o outro quer, a todo o custo, voltar atrás e recuperar a pessoa. Não entendem que, muitas vezes (talvez a maior parte delas), quem sofre e se afasta de tudo e todos está a passar por um enriquecimento de espírito através das dores do coração. E esse enriquecimento não se consegue se não se der tempo para isso e andar logo ali na cola de outro sofrimento (ou não, sejamos optimistas vá...)

Seguidora a partir de hoje, pode ser? :)
Beijinho*