terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Vamos ali comer uns Donuts?

De x em x tempo alguma blogger lá se lembra de vir com uma ode - não às gordas - mas aquilo que dizem ser o protótipo de mulher portuguesa e também o estilo de mulher que o homem português aprecia. Uma mulher roliça, de carnes fartas, boas para o aninhar nas noites de inverno e para servirem de almofada quando ele quer esticar-se no sofá com a cabeça no colo. Quem gosta de mulheres magras são o rabichas ou os pedófilos que fazem obrigatoriamente amor com a luz apagada para fazerem de conta que estão com o objecto da sua fantasia na cama. Em primeiro lugar esquecem-se estas bloggers "feministas" que há gostos para tudo, há quem gosta de mamas grandes, há quem goste delas pequenas; há quem goste de rabos saídos, outros gostam deles achatados; há quem goste de loiras e há quem só ligue a morenas. Calculo que até deve haver quem goste de mulheres com bigodes e  se calhar neste caso teriam mais legitimidade para chamar o fetichista de homossexual mas aí seria só alguém estranho . Seguindo esta linha de pensamento,  há quem goste de mulheres mais cheias e há quem goste de mulheres mais magras. É algo tão simples como isto - uma preferência como outra qualquer que não tem necessariamente a ver com ideais nazis da estética do século XXI. Longe de mim armar-me em defensora daquela magreza anoréctica, tal como longe de mim armar-me em defensora da obesidade mórbida. Apenas parece-me absurdo uma mulher sentir-se motivada para escrever um texto a atacar mulheres que considera que estão magras de mais porque sente-se ofendida por haver quem ache que ela tenha uns quilos a perder. Faz sentido: dizer que se está gorda é feio, dizer que se está magra já não. Paradoxalmente, com essa tomada de posição legitimam o que pretendem atacar, colocam a magra num patamar privilegiado. É como se tacitamente admitissem que aquela mulher, por ser magra ou mais para o magra, não devesse ter problemas de auto-estima o que permite esta crítica despudorada. Coisa que nunca aconteceria com uma mulher mais gorda; se fosse mais para o gorda pensava-se e calculava-se o peso das palavras no ego alheio. E o que me irrita para lá do razoável nem é esta recusa completa em ver que o comportamento de crítica é igualmente mau para os dois lados mas sim a negação que roça o ridículo de quem vem defender a beleza de uns  pneuzinhos a saltar das calças. É que apostava cinco anos da minha preciosa vida em como quem escreve e subscreve aquilo adoraria ser pelo menos três quilos mais magra.

6 comentários:

Pink World Fabuloutin disse...

Pois... n sei de quem falas mas até hoje nunca conheci ninguém que gostasse de ser gorda ou não quisesse perder um bodatito aqui ou ali... agora que me dava jeito haver um homem a gostar de mulheres com bigode lá isso dava que eu ou tenho bigode ou alergia à cera no buço... é do género amanhã é um dia especial o q preferes bigode ou borbulhas?!?

Maria Bê disse...

RBM,
Não conheço mulher nenhuma que não mudasse nada em si. Mesmo as lindas, gostosonas, com tudo e mais alguma coisa no sítio, encontram sempre uma imperfeição e um motivo para a insegurança.
Acho todavia que estamos a cair num excesso de enaltecimento da beleza da magreza extrema, o que nos faz pensar, à maioria, que é possível atingir aqueles ideais sem celulite e sem poros sem sermos completamente photo-chupadas. É que eu gostava tanto...
Um sorriso!

Isa disse...

Muito bom o post. e tens toda a razão. eu continuo a achar magreza demais feio como acho as minhas pernas horríveis porque tou gorda demais. e acho uma estupidez adotar-se essas gajas como ideais de beleza. qq comum mortal jamais chegaria ali, nao é ginásio, nao é nada, é NÂO comer. e ausência de vida, isso é o q mais me faz confusao em qq pessoa, magra, gorda ou mais ou menos. e sim, quero perder 6 quilos...

RBM disse...

a questão é mesmo essa da vida e de sentir-se bem com a vida. estão felizes com não sei quantos quilos a mais? Maravilha! o absurdo para mim é o estilo em que se fala do tema. porque se fosse uma gorda a aparecer num anúncio qualquer ninguém faria um post sério a descrever a pessoa da forma pejurativa que têm descrito as meninas da triumph. e se sentem-se ofendidas por tentarem "obrigá-las" a ser magras, eu cá sinto-me ofendida pela insinuação que o meu namorado, por se sentir atraído por mim, como eu sou, a puxar para o magra, é alguma espécie de rabeta disfarçado.

e olha se querem que vos diga escrevi este texto com toda a legitimidade - há 5 anos atrás tinha mais 12 quilos em cima e juro-vos meninas, que nunca mais...pois, é verdade, há quem se sinta mais feliz sendo mais magra, e assumidamente eu sou uma dessas.

Espiral disse...

Concordo com o teu texto de longe.

Não percebo as pessoas que se sentem tão ameaçadas juro. (E eu sou daquelas que tem mesmo que perder 3/4 kilos).

Eu acho-as giras. Nunca serei assim tão magra (tenho coxas que nunca deixaram), gosto muito de comer sem me privar, mas isso não significa que não saiba o equilíbrio.

Eu sei lá o que os homens gostam, mas acho que os homens não são os parvos que os pintam e para além da parte física também vêm o resto. E há sempre a química. =)

Jade disse...

Tu não me conheces de lado nenhum, mas deixa-me agradecer-te este texto. Sou magra demais e sou insultada vezes sem conta por mulheres sem noção. Nunca respondi a um "estás tão magra" com um "estás tão gorda", mas vontade nunca me falta. Não entendo como se pode ser tão insensível com a imagem alheia, e ser-se ostensivamente mal-educado sem sequer se dar por isso.