sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Introdução ao Alcoolismo no Feminino

Bem, hoje tive um dia ambíguo e agora, que falta meia hora para se findar, nem sei que balanço, que saldo hei-de fazer. Ontem, fui jantar a casa de uns amigos meus que foram pais há pouco tempo. Enquanto me preparavam um repasto digno de uma rainha - sim, que só me dou com gente que gosta de comer e de cozinhar, primeiro alicerce de uma amizade salutar e duradoura - ela passou-me o bebé de seis meses para as mãos e disse "treina". Dei-lhe banho, vesti-o, escovei os cabelinho dele com aquelas escovas macias da Johnson, seguiu-se o biberão com ele a babar-se todo pelo queixo abaixo e depois de o pôr arrotar, deitei-o finalmente no berço (que entretanto já estava cheia de fome e cheirava-me a arroz de marisco). A coisa correu mal aí, ele esperneou primeiro um bocado enquanto gemia baixinho e depois começou a berrar, com as mãozinhas fechadas a esfregar os olhos e a espalhar as lágrimas pela cara. Experimentei pôr-lhe a chucha e ele virava a cabeça e ainda gritava mais alto, contrariado, arrealiadíssimo, até que veio uma voz da cozinha com a solução milagrosa "tens de lhe pegar ao colo e andar um pouco de um lado para o outro". Vim para casa e quando adormeci, sonhei toda a noite que tinha arranjado finalmente um cão, o que temos de admitir é um gozo flagrante e descarado do meu Id, como quem diz "isso é o mais semelhante que vais ter com uma criança". Está bem meu filho-da-puta, logo vemos quem se ri por último se bem que hoje ganhaste tu que acordei com um ar cadavérico. Durante a manhã recebo uma notícia que sei lá se é positiva ou não, caraças, só sei que tenho de levar a roupa de gente crescida toda para a lavandaria não vá o diabo tecê-las e eu só ter calções e mini-saias e skinny jeans para vestir. À hora de almoço, na minha antiga Faculdade, fazia intenção de comer um sopa à pressa porque tinha deixado o portátil sozinho e à grande na biblioteca, quando reparo que o único lugar sentado no bar era ao pé do professor mais detestado dali que me chumbou duas vezes na mesma cadeira e só me passou à terceira depois de uma oral de uma hora e vinte, onde aí sim deu-me um notão e ainda me disse na cara "vê, não acha agora que valeu chumbar das outras vezes?"´. Mal me viu de tabuleiro na mão, perdida, tirou logo os livros e o jornal para eu me sentar à frente dele. Quinze minutos de conversa totalmente awkward. Ao fim da tarde fui dar uma volta e acabei a comprar uma camisolinha de tricot e um cachecol para os meus gatos, que juro sãos amorosos mas entretanto já fui gozada por isso. O que vale é que tenho uma família que me ama e compreende. Quando chego a casa o meu irmão emigra tinha voltado para umas breves férias e tinha-me trazido do estrangeiro como prendas três tabletes GIGANTES de chocolate de leite e uma garrafa de Vodka de sabor a caramelo. É claro que recalquei o facto de ser um dia de semana e de estar sozinha e enquanto escrevo este post vai para aqui um real festim.

Sem comentários: