sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Equívocos

A juntar a todas as pancadas que já conhecia, desenvolvi nos últimos tempos uma certa hipocondria - a dor de garganta da semana passada foi um episódio epopeico de ser enfrentado, e um sinal na perna que começou a doer-me de repente foi na minha cabeça e durante uns dias, um melanoma em formação. Empurrada por esta minha última característica e aproveitando uma consulta de rotina de ginecologia, pedi à minha médica para me passar análises a tudo e ela entusiasmou-se. Recebi os resultados e fui contente hoje à minha médica de família mostrá-los. Durante os primeiros cinco/ dez minutos da consulta, ela manteve um discurso meio desconexo, acerca de "cuidados nesta fase especial", a alimentação que devia ser regrada e o exercício físico moderado até ver bem como me sentia. Nada de álcool e tabaco, mas "isso era óbvio". Eu acenava com a cabeça, mais aparvalhada do que o habitual, convencida que ela dizia-me aquelas coisas devido ao índice de colesterol que estava um pouco mais elevado do que o recomendado. Até que ela me disse "mas olhe deixe-me que lhe diga. Está muito bem, muito bonita. Já esteve muito magra, agora está assim desenvolta, com mais ar de mulher...a maternidade faz maravilhas, é um milagre de facto...".

 Maternidade, oi?

Esclareci que não estava grávida e ela esclareceu que deduziu isso dos testes à toxoplasmose e à rubéola que a outra louca mandou-me fazer. Riu-se muito a dizer que já ia começar a falar de suplementos vitamínicos e outras temáticas pré-natais. Obteve como resposta um sorriso amarelo porque não consegui deixar de pensar que ela achava que eu estava - atenção!- não mais gorda, mas "desenvolta".

1 comentário:

francisco disse...

Conversa entre dois bebés:
- "Gôdo..."
- "Gôdo não, fóte!"
- "Fóte tu, gôdo de méda!"