terça-feira, 13 de setembro de 2011

O complexo da miúda gorda

Durante grande parte da minha vida fui aquilo que na linguagem comum se chama de uma "rapariga de carnes cheias" ou "dotada de chicha". Na altura, nunca tive qualquer tipo de complexos por isso, se me perguntassem se preferia ser mais magra teria dito obviamente que sim - como 99,9 % das mulheres - mas nunca mexi um dedo, ou o rabo na passadeira, para que isso se tornasse realidade. Na verdade, aqueles bons quilos a mais que tinha não me afectaram a vida - não era grande ao ponto de me tornar invisível para os rapazes, por exemplo, que é a queixa mais recorrente que as gordas fazem. Vestia o que queria, ainda que ficasse mais apertado ou com coisas a saltar de sítios que não deviam. Queria lá saber, era miúda, muito liberal, despreocupada e nessa altura estava ainda de muito bem com a vida. Super amiguinhas que nós erámos. A partir dos vinte anos comecei a ter depressões umas atrás das outras, cíclicas e periódicas e na altura em que tive de ter intervenção química deram-me um cocktail bombástico que eu tomava ao pequeno almoço e ficava com o estômago a arder durante as doze horas seguintes. Deixei de conseguir comer e no espaço de três meses perdi dez ou doze quilos que nunca mais recuperei. E com isto arruino o negócio ao Tallon que para mais agora foi enganado pela mulher e a última coisa que precisa é disto, de um negócio arruinado, não? Bem, foi só a partir dessa altura que comecei a ter manias que ainda persistem - peso-me todos os dias, adoro comer e como mas depois fico a falar acerca daquilo durante o dia inteiro, a remoer, a remoer, passei a saber as calorias de uma lista infindável de alimentos, mais a que se gastava a fazer outra infinidade de actividades, estou sempre a achar que as minhas coxas estão uma enormidade e que estou pançuda. A noite é o momento crítico do dia porque como não consigo dormir, ataco o frigorífico sem qualquer espécie de piedade. Às vezes tenho lá coisas muito boas, tipo bolos, e celebro o seguinte trato comigo própria "olha, hoje vou comer à vontade, porque assim acabo com isto e amanhã já não há e não posso comer mais" e depois os meus pais viram que eu comi tudo e reabastecem-se.  Descansem, eu sei que tudo isto é muito triste e que sou ridícula. Este desabafo é só para vocês acabarem com essa ideia que eu sou perfeita.

[ mas a sério são quatro da manhã e acabei de comer um cacho de uvas, tenho muita pena que um dos meus cinco gatos não faça isto.]

6 comentários:

bee disse...

nunca tive esse complexo da menina gorda, mas revi-me na parte do 'gosto de comer' e quando me dá a fome ao final do dia, também penso 'mais vale acabar com isto hoje,e e amanhã já não faço asneiras.... acho que estou a começar a ficar preocupada!

Nuno Oliveira disse...

Nem vou comentar o resto.
Pessoalmente, been there, done that e mais ainda.
Mas...
Um cacho de uvas não engorda!!!

RBM disse...

as uvas não, mas as bolachas que já tinham ido antes :P

Piston disse...

Não vais lá com menos do que um tigre.

RBM disse...

E mesmo assim!

Pink World Fabuloutin disse...

Diz que o chocolate é o remédio para todos os males... excepto para o excesso de peso... exactamente o único que todas nós queríamos ver resolvido!!! :|